quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Uma poesia de presente

Chegado os momentos de sensibilidade, Natal, virada do ano, resolvi abrir um pouco a minha caixa de Pandora. Resolvi dar alguns presentes aqui no blog também. Presentes poéticos como não podia deixar de ser.

Esse poema que publico agora, foi escrito como presente para um grande amigo irmão no dia que ele casou. E devidamente lido no ato do casório.

Eu gosto dele. E agora, presenteio vocês:


Raízes e asas
                              Para Tiago e Gabriela Bacelar

De onde viemos, senhores?
dos santos? dos céus?

A mais pura harmonia?
Viemos de quem ia e foi?
Viemos de arroz jogados na saída?
Viemos de abraços?
Despedidas?

Viemos de uma saudade imensa
de uma sede sem fim
ou até de algo ruim
mas puro

que a sua essência é sempre pura.

Viemos do que dura
mesmo quando morre
viemos de porres e mais porres
de beijos intermináveis.

Viemos de coisa estáveis
ou de atitudes menos nobres
mais viemos não de cobres
mas pele: osso: sangue :paixão:

De um homem e de uma mulher

que é o que é

e que são.


Viemos de irmãos e de amantes
antes
bem antes
quando eles sonhavam com a gente

viemos um tanto dementes
e as coisas mais fofas do mundo inteiro.

Os nossos laços e muitos dos abraços
muito do que temos
nós foi dado

(talvez tudo)

Sabemos de nossas raízes, então
resta saber das nossas asas.

Resta ver tanto que passa
resta abraçar tudo que é da gente.

Viemos de dois
e somos um
viemos de um segundo
e somos anos e anos de eternidade.

E nunca, para nos, é tarde
porque somos tudo que do universo arde
em nós
em nosso peito.

Entendido tudo o que sabido

resta saber das nossas asas.

Destinados a voar
restar saber de nossas asas.

Destinados a descobrir os céus
resta saber de nossas asas

Destinados à felicidade
resta saber de nossa casa.

A nossa casa abriga o vento
guarda o azul
limpa o terreno
deixa crescer a planta
e colhe os frutos.

A nossa casa assim sem muros
mas cheia de braços abertos
a nossa casa que é direto para o coração

que é irmão e que é amante

a nossa casa que também é como antes
a nossa casa que também é adiante.

Deitado com tua mulher
em teu peito guardada como abrigo
eis as tua asas (que já existiam)
eis o teu sentido.

Sentado ao teu lado
vê desmascarado teu parceiro
ele é a chave e é a porta
e ele é agora o mundo inteiro.

12 comentários:

  1. Seu amigo deve ter adorado.
    Muito bela, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Valeu a dica anônimo, algumas tinham passado despercebidas. Um tanto de agonia ao escrever, um tanto de burrice.

    ResponderExcluir
  3. Sr. Tibério Azul... vc é bom pra caramba... rs...
    Mag...

    ResponderExcluir
  4. Tib
    Desde já, muito obrigada por mais um presente! Me emocionei lembrando de quem veio, me iluminou e já se foi.
    As ''assas'' são para quem sabe voar e é leve...a gente entendeu. Acho q vc não é nem um pouco burro.
    Mil bjs Sissi

    PS:Vc tá me devendo uma resposta

    ResponderExcluir
  5. Que resposta Sissi? Que bom que tu gostou.

    ResponderExcluir
  6. É o seguinte no dia 6/12/10 alguém perguntou do lançamento em Recife e tu disse q ia começar por SP e RJ,e eu queria saber se já tem data e local para a apresentação no Rio? Esse eu não posso perder por nada desse mundo.
    Vi o show no canal Brasil,foi excelente,fiquei maravilhada,foi mágico.Parabéns para toda banda!!
    Desde já obrigada
    Mil bjs Sissi

    ResponderExcluir
  7. Haaa...nem se preocupa. O lançamento foi adiado para janeiro por motivos diversos como a chegada do Papai Noel e coisas do tipo. Assim que tivermos as datas e os locais exatos eu digo por esse meios virtuais. Tá?

    ResponderExcluir
  8. Beleza, espero....enquanto isso eu fico aqui curtindo o DVD e lendo o blog. Hj dei uma chamada numa anônima q pelo jeito não sabe da existência da Carina e fica pedindo para casar com vc toda hora,lá nos presentes de natal.Falei mesmo eu não sou baú......manda bj para Carina.
    Sissi

    ResponderExcluir
  9. Uma asa de poema, que enraiza dentro de quem sente.
    Obrigada pela linda partilha.

    ResponderExcluir
  10. Com essas asas citadas,
    Quero correr o mundo alada,
    Conhecer o Tudo e Nada.

    Pelo dito aí de cima,
    Quero ao menos uma asa.
    Nela, Sobrevôo o mundo,
    Dentro de uma casa.

    Só para elogiar o blog, parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Vixe que coisa MARLINDA!

    ResponderExcluir